Quais são os impactos da Transformação Digital e a Cultura Lean no modelo organizacional do futuro?

transformação digital
9 minutos para ler

Imagine que você quer ferver um pouco de água em uma panela. Colocar um maçarico em cima da panela vai resultar em um processo longo, incômodo e, pior, pouco eficiente. O que é o ideal nessa situação? Colocar a chama embaixo da panela. O mesmo vai acontecer se você tentar modificar a estrutura organizacional da sua empresa: velocidade e eficiência para um resultado melhor.

Mas por que estou trazendo essa analogia? Simples! As empresas precisam mudar, e o método antigo — alta gestão definindo e empurrando para os liderados o que deveria ser feito — não funciona mais. Chegamos, assim, aos impactos que a transformação digital e a cultura lean proporcionam.

Preparei este artigo justamente porque quero mostrar a você como é possível estruturar o modelo organizacional do futuro a partir desses dois conceitos. Vamos lá?

A transformação digital em tempos de crise

Por muito tempo, a transformação digital era vista como um diferencial competitivo. A pandemia, porém, modificou completamente esse cenário. Agora, trabalhar com essa mentalidade é uma necessidade, o modelo básico para conseguir se destacar no mercado. Mas qual é o papel desse conceito na estruturação do seu negócio? Na adaptação e na oferta de valor.

Explico: a meu ver, existem dois caminhos a serem seguidos. Um deles é a digitalização do core business atual. Ou seja, conseguir atualizar os processos com as novas tecnologias e, assim, adaptar o modelo de negócio em vigor. Outro pilar é o aproveitamento desse conceito para gerar novas linhas de receita na empresa, ampliando as oportunidades de negócio.

Vamos começar pelo impacto na adaptação dos processos internos para, assim, entregar um produto e/ou serviço final ainda mais completo. Trouxe um exemplo que vai ajudar a clarear essa ideia: durante o pico da pandemia, quais trabalhadores se sentiam confortáveis em sair de suas casas todo dia e se deslocar até o local de trabalho? Imagino que não muitos, certo?

O que é o trabalho no escritório, por exemplo? Trata-se, na prática, de um ambiente onde as pessoas conversam e se relacionam. As chamadas de vídeo, porém, também são um ambiente onde as pessoas conversam e se relacionam. Mas quando olhamos para eficiência, o ambiente digital oferece todos esses benefícios de modo muito mais rápido e objetivo.

Um estudo da Talenses, por exemplo, mostra que 70% dos profissionais acreditam que o home office resultou em um aumento de produtividade. Como isso é possível? Graças aos avanços proporcionados pela transformação digital. Seja com a qualidade das ferramentas disponíveis aos colaboradores, seja com a capacidade de realizar uma gestão de produtividade a distância.

Além disso, a transformação digital abre portas e novas oportunidades. Agora, você pode ter acesso a uma base de clientes gigantesca, algo que, em muitos casos, não era possível anteriormente. Veja, a transformação digital tornou não apenas possível, como também abriu espaço para você expandir os negócios, gerando novas linhas de receita que vão mais valor em cima do core business.

Por exemplo, uma empresa que fornece energia pode passar a oferecer serviços financeiros aos seus clientes. Afinal, ela tem acesso a uma quantidade de informações e dados que podem ser extremamente úteis à criação de um serviço inovador para a sua base de clientes. O maior conhecimento sobre hábitos e comportamentos das pessoas permite criar um bom diferencial.

A cultura lean na otimização dos processos

Tudo o que eu contei se concretiza de modo ainda mais certeiro quando os métodos corretos são definidos. Aqui, vou argumentar com você sobre a proposta da cultura lean. E quero frisar, logo de começo, que compreender a metodologia como um todo é essencial, pois os detalhes do processo funcionam integrados.

Com isso em mente, acompanhe os três tópicos a seguir. Dividi o conceito em etapas, de modo que você entenda com clareza a objetividade o que significa adotar essa cultura.

Metodologia Lean

A metodologia lean consiste na otimização dos processos internos e, logo, oferecer alto valor ao que é entregue ao cliente final. Na prática, significa reduzir o tamanho e os desperdícios da operação em uma organização. Isso vale para a redução de investimentos desnecessários e até mesmo o aproveitamento de espaços. Ainda mais importante, faz diferença no andamento e na metodologia dos processos.

Cultura data-driven

A tradução livre do termo lean é esguio. No cenário empresarial, significa a necessidade de uma estrutura robusta para continuar entregando mais aos clientes. A ideia da implementação da metodologia lean é identificar os desperdícios, eliminá-los, adaptar o que sobrou da operação e, assim, conquistar melhores resultados e manter a competitividade.

Liderança Lean

Para a aplicação da cultura lean dentro da organização, você precisa que os líderes desempenhem uma função diferente também. Afinal, não basta apenas comandar a sua equipe: é preciso conduzi-la até a conquista dos melhores resultados. A liderança lean, portanto, também deve ser aplicada, a fim de que a adaptação seja feita com eficiência e os resultados apareçam.

Mas o que é, na prática, a liderança lean? Pessoalmente, defendo estas características:

  • ser um líder servidor: ter um posicionamento de reconhecer qual é a dificuldade do dos liderados, focando a remoção dos obstáculos;
  • ter habilidade de sensibilizar a ponta: não só tirar os obstáculos, mas também indicar o caminho e visualizar os passos que precisam ser dados;
  • ter capacidade de entender o valor gerado: saber identificar como o cliente percebe valor e, a partir disso, refinar as operações da empresa.

Com essa atitude, você vai conseguir ajustar a direção para a qual deseja levar a sua companhia.

Lean Digital

O lean digital representa, na prática, a aplicação da metodologia lean no cenário de transformação digital. É a contextualização desse conceito em um cenário de intensa digitalização. Significa usar os avanços que a tecnologia proporciona e, com eles, impulsionar os processos. Seja para fazer tudo mais rápido, seja para ter melhor performance. É, portanto, a mescla entre os conceitos.

Os resultados dessa combinação

Complementando, é importante compreender como a transformação digital e a cultura lean se relacionam e impactam nos resultados das organizações. Como a metodologia lean parte do princípio que a sua empresa está criando valor para o cliente, tudo o que é desperdício deve ser removido.

Atualmente, graças à transformação digital, é possível identificar e classificar todas as ações e atividades organizacionais. Ou seja, aquilo que não gera valor pode ser apontado e, consequentemente, eliminado dos processos internos. A quantidade de dados que a empresa tem disponíveis, por exemplo, mostra como um conceito pode se conectar ao outro.

O dilema, aqui, é entender que os concorrentes estão fazendo coisas novas cada vez mais rapidamente e, se nada for modificado, os impactos nos resultados vão ser significativos. O que fazer para ser tão ágil quanto os competidores? Aproveitar a transformação digital, porque você ganha velocidade com segurança.

Mas o propósito da união entre transformação digital e cultura lean é justamente agregar valor extra ao que é entregue ao cliente final. Quando bem executada, o maior beneficiado da estratégia é exatamente o consumidor, que tem acesso a um produto e/ou serviço melhor e mais barato. Os desperdícios também são reduzidos e o foco se torna somente o que importa.

Os principais desafios do novo modelo organizacional

As empresas, porém, ainda precisam aprender a trabalhar nesse novo modelo, aproveitar a oportunidade e não ficar com a ideia de que as coisas vão voltar ao normal. É o momento de abraçar novas ferramentas e soluções. Realizar uma avaliação interna e, na sequência, decifrar quais são os processos que devem se manter e os que precisam ser alterados.

Contar com o compromisso da alta gestão da empresa para com as metodologias também é fundamental. Isto é, o conselho, o presidente e todos o C-Levels devem agir como exemplos. Caso contrário, as pessoas não vão se comportar como o esperado. O grande desafio, então, é compreender que, mesmo em um mundo em rápida aceleração, estamos falando de uma jornada que será aprimorada com o tempo.

Imagine que você está em uma bicicleta, vira o guidão para um lado e a roda vira para o lado oposto. A sua cabeça não está preparada, você aprendeu de um jeito diferente. E é isso o que acontece na hora de modificar o modelo organizacional. Será necessário um período de adaptação até que o processo se torne eficiente de novo.

Afinal, a estrutura da sua empresa está acostumada a funcionar de uma certa maneira, certo? Aos poucos, você vai aprender e abraçar o cenário emergente. A equipe de gestão, por exemplo, foi treinada em um método antigo. Então, a estratégia de gestão intermediária será a de jogar fora o que não funciona no ferramental antigo e aplicar o que há de novo, otimizando e reformulando os processos.

Por fim, lembre-se disto: o sucesso do trabalho de transformação digital passa por não subestimar a sua complexidade. Tenha em mente que é difícil mudar métodos, rotinas e estruturas. O esforço na mudança de comportamento é grande. Logo, a consciência de que o esforço é necessário faz parte para você não se decepcionar ao longo do processo e garantir uma evolução sólida em longo prazo. 

Você também pode gostar

Deixe um comentário

16 − 6 =