Maturidade digital da empresa: o que você precisa saber sobre o assunto?

14 minutos para ler

Maturidade digital é um termo familiar? Se alguém perguntar qual é o nível de maturidade digital da sua empresa, você sabe responder? Na verdade, a definição da expressão é bastante simples e se refere ao quanto uma organização está ambientada e adaptada para competir em um ambiente hiperdigitalizado.

O que é ter maturidade digital? Isso vai bem além de implementar ferramentas tecnológicas, e é aí que a maior parte das pessoas se perde na compreensão do conceito. A verdade é que a maturidade digital está ligada à estrutura da empresa, sua cultura e sua força de trabalho. Sem esse conjunto alinhado ao digital, não há maturidade.

Nós preparamos um conteúdo completo que vai ajudar você a entender tudo o que for necessário para saber responder qual é o nível de maturidade digital da sua empresa. Além disso, você terá uma orientação sobre como aumentar a maturidade digital.

Tem interesse no assunto? Então, vamos logo ao que interessa. Aproveite a leitura!

O que é maturidade digital?

Maturidade digital é o termo utilizado para se referir à capacidade que uma empresa tem de competir efetivamente em um ambiente digital. Para isso, ela precisa se adaptar às inovações vigentes e conseguir responder de forma adequada às demandas.

A visão sobre esse termo pode variar significativamente no mercado. Aqui no Brasil, por exemplo, é muito associado ao marketing digital, que usa os estágios de maturidade desenvolvidos pelo Google:

  • empresas nascentes — Com um nível básico, são aquelas empresas que não estão muito atentas às suas estratégias digitais e que usam dados mantidos por outras empresas;
  • empresas emergentes — São as que já estão em um processo de armazenamento e tratamento de dados, mas ainda não conseguem cruzar resultados, por exemplo;
  • empresas conectadas — São as que conectam e interligam informações captadas em múltiplos canais, utilizando-as para cruzar resultados e observar métricas específicas;
  • empresas multimomento — São as que conseguem usar a tecnologia para personalizar a experiência dos usuários, respeitando a individualidade de cada um.

Pouquíssimas são as empresas que conseguem atingir o último nível. Além disso, como mencionado, essa pode ser uma visão um pouco restrita da situação. Em locais onde a maturidade digital está muito mais desenvolvida, como é o caso dos Estados Unidos, da União Europeia e da Ásia, o entendimento sobre o termo já é outro.

Para desenvolver a maturidade digital e conseguir construir tanto uma melhor realidade interna como produzir resultados mais satisfatórios, é preciso fazer um diagnóstico da maturidade digital de um negócio. Ele vai funcionar como o ponto inicial de um GPS, para que você possa traçar uma rota efetiva.

Quais são os 5 níveis de maturidade?

A maturidade digital é expressa em 5 diferentes estágios. São eles que facilitam a mensuração e ajudam a identificar onde a sua empresa está e o que precisa ser feito para atingir o próximo estágio. Então, vamos conhecer cada um deles.

1º estágio

É a situação em que a empresa até deseja implementar soluções digitais, mas para continuar aquilo que já vinha fazendo. É o caso da maioria das organizações. Elas adotam a digitalização de documentos, mas apenas para facilitar o armazenamento, por exemplo.

Nesses casos, a mudança não é estrutural, ou seja, o objetivo não é mudar o modo como a empresa atua. Sua meta é muito simples: aumentar a velocidade das tarefas. O grande problema é que quem está nesse nível acaba perdendo espaço para a concorrência.

2º estágio

Aqui, as soluções digitais ganharam um meio formal de serem adotadas. Já em um nível mais avançado, a tecnologia acaba servindo como base para a automação de processos internos. Afinal, a organização entende que os recursos tecnológicos são fundamentais em todos os processos, apesar de não mudar a estrutura em si.

Como nenhum negócio surge nessa fase, ela é considerada transicional. Normalmente, quem está nessa etapa chegou ali por pura pressão da concorrência. E é só com o tempo que iniciativas de inovação e projetos disruptivos começam a surgir.

3º estágio

Nessa etapa, a companhia já adota a inovação como uma cultura, usando a tecnologia como uma parte fundamental da sua estratégia. Justamente em função disso, as pessoas tendem a ser mais colaborativas nos mais diversos níveis, o que facilita mudanças mais profundas.

Nesse caso, a empresa já é capaz de estruturar muito mais claramente o processo de Transformação Digital. Isso porque ela determina profissionais responsáveis por cada implementação, assim como investimentos específicos para a área.

4º estágio

No quarto estágio, toda a infraestrutura da empresa está pautada na tecnologia e na inovação. Algumas empresas já nascem nesse contexto, como é o caso da Uber e do Airbnb, que já surgiram com modelos de negócios disruptivos e altamente tecnológicos.

Se analisarmos, existem outras empresas que foram alcançando isso com o tempo; é o caso da Netflix. É algo que pode estar inerente a uma marca ou ser construído com o passar do tempo e com as necessidades do mercado.

5º estágio

Quando se trata de Transformação Digital, o céu é o limite. Por isso, não podemos afirmar que a quinta etapa seja uma etapa final nessa escada ascensional. Na verdade, o que podemos dizer é que ela é a fase mais evoluída nesse aspecto.

Nela, as empresas conseguem transpor todas as barreiras e liderar a inovação no mundo, abrindo mercados totalmente novos ou simplesmente reconfigurando um tipo de serviço. Apple e Google são bons exemplos disso, já que estão sempre trabalhando com o que há de mais avançado em termos de inovação.

Por que descobrir o nível de maturidade do seu negócio?

Um estudo realizado pela consultoria internacional Bip em 2020 mostra que o caminho para alcançar a maturidade digital de um negócio ainda é longo: em uma escala de 1 a 5, a média obtida pelas grandes empresas foi 2,7, considerado um nível intermediário de maturidade digital. Isso significa que ainda há muito a ser feito.

Descobrir o nível de maturidade do seu negócio é um primeiro passo para isso. É a partir dessa visão clara e objetiva que você conseguirá entender o que realmente precisa ser feito para avançar entre as etapas e conquistar seu lugar ao sol na era digital.

Uma vez diagnosticada, a empresa deve priorizar seus investimentos a partir das características que precisa desenvolver para atingir o nível seguinte. É como uma escada, não adianta tentar pular degraus. O único caminho é desenvolver, implementar e gerenciar soluções, até que a empresa fique pronta para ascender novamente.

É importante lembrar que a evolução digital é algo que passa por toda a empresa e que pode ocorrer de formas diferentes para cada área. Em alguns casos, ainda que haja dinheiro para investir, alta tecnologia e o melhor roadmap, a mentalidade das pessoas não está pronta para acompanhar a transição. É aí que você precisa considerar treinamentos ou alguma alternativa para preparar os colaboradores.

Quais são as melhores práticas para aumentar o nível de maturidade digital da empresa?

Cada setor tem uma jornada distinta (especialmente considerando os mercados B2B e B2C), mas existem práticas gerais que ajudam a superar os desafios e aumentar o nível de maturidade digital. A seguir, você conhecerá quais são cada uma delas. Confira!

Ter um propósito

Quando você tem clareza sobre quais são as razões que levam você a buscar a transformação e a maturidade digital, fica muito mais fácil trilhar esse caminho. Na realidade, quando a empresa implementa uma mudança assim, precisa convencer o seu time a aderir, e isso só pode ser feito de uma maneira: tendo convicção dos seus próprios motivos.

Portanto, entenda qual é a motivação por trás da busca pela maturidade digital. Você quer atingir um novo mercado? Quer qualificar os processos internos? Deseja melhorar o ambiente de trabalho para os seus colaboradores? Busca transformar a experiência dos seus clientes? Qual é a razão?

Alinhar as lideranças

As lideranças são o principal exemplo para suas equipes. Portanto, ainda que a empresa apresente o discurso mais motivacional de todos, ele só vai funcionar se alguém com influência estiver vivendo isso na prática; no caso, o líder.

É por isso que um dos primeiros passos na caminhada rumo à maturidade digital é alinhar as lideranças. Os conceitos têm que estar claros. Os objetivos e metas devem ser compreendidos por todos. As suas motivações devem se tornar a motivação dos líderes. Quando todos estiverem falando a mesma língua, a máquina engrena.

Expandir o pensamento sistêmico

O pensamento sistêmico é aquele que vê a empresa como um organismo vivo: completo, mas cheio de órgãos interdependentes. Para que um funcione bem, é preciso que todos estejam em plena saúde. Assim, quando se investe em automação, softwares integrados e compartilhamento de informações, fica mais fácil unificar esse grande sistema em um ambiente comum, em que os dados mais relevantes podem ser acessados.

Isso evita o truncamento de processos e agiliza muitas etapas, especialmente aquelas atreladas à tomada de decisão. Portanto, quando dois ou mais setores trabalham em conjunto, o pensamento sistêmico se expande, levando a maturidade digital a outro nível.

Investir na aprendizagem contínua

Quem tem planos de atingir o quinto nível de maturidade digital deve preparar os seus times. Isso porque, além de toda a questão estrutural e de cultura, é importante contar com um time preparado e motivado a trabalhar com alta tecnologia. Em outras palavras, aprender continuamente sobre os meios digitais deve ser uma aspiração dos profissionais desde que forem contratados.

É assim que a empresa se torna capaz de fortalecer seus times e otimizar os insights do negócio. Quem faz por amor faz muito além daquilo que é pedido. Logo, a tendência de que os profissionais se acomodem ou se desmotivem ao longo do tempo diminui expressivamente.

Adaptar funções

Há outro fato: algumas funções perderão o seu sentido ao longo do processo de amadurecimento digital. Seja em função da hiperautomação ou da própria digitalização, muitas etapas de trabalho acontecerão sem que ninguém precise colocar a mão. Por isso, será preciso readaptar as funções.

Mas, não leve isso como algo negativo. De certo modo, se trata de uma oportunidade para a empresa aproveitar melhor o potencial dos seus colaboradores. Se uma tarefa é repetitiva o bastante ao ponto de poder ser automatizada, é sinal de que aquele profissional que antes executava essa etapa pode ser redirecionado para assumir funções mais produtivas e desafiadoras.

Proporcionar autonomia

A maturidade digital anda junto da autonomia dos times. É importante que cada colaborador tenha espaço e direito para realizar suas atividades de forma criativa. Ao contratar um talento para compor uma equipe (e depois treiná-lo), é esperado que a empresa confie na sua capacidade de fazer aquilo para o que foi admitido.

Os líderes setoriais geralmente conseguem responder e resolver problemas rapidamente, de forma quase imediata. No entanto, muitos deles ficam presos aos seus superiores para tomar decisões simples, atrasando processos e quebrando a agilidade nas resoluções.

Adotar a automação

A automação é uma característica fundamental de uma empresa com maturidade digital. Isso porque, quando uma companha atinge esse patamar, ela consegue levar os seus processos internos a um novo nível, otimizando sua execução e fazendo com que eles aconteçam praticamente de forma instantânea.

E se engana quem pensa que a automação deve ser algo complexo e muito elaborado. Na verdade, o próprio registro do horário de ponto é um exemplo bastante útil. Apesar de ser algo simples, a informação pode ser enviada automaticamente para um banco de dados, com disponibilidade de consulta em tempo real. Da mesma forma, muitas outras atividades podem ser automatizadas.

Dar flexibilidade

Uma cultura flexível é aquela que aceita muito bem diferentes pontos de vista e de conhecimento. Diferentemente dos negócios mais conservadores, as empresas com cultura flexível conseguem levar em conta o potencial de cada um, utilizando todas as informações colocadas na mesa como inputs valiosos.

Assim, o RH e os profissionais supervisores devem estar prontos para proporcionar essa flexibilidade em todos os ambientes e espaços, inclusive em meio digital. É assim que as melhorias poderão ser propostas, estudadas e implementadas.

O que acontece ao adquirir mais maturidade digital?

Como você viu ao longo do conteúdo, a inovação é inevitável no mercado atual. Ela anda junto com a evolução da tecnologia e a Transformação Digital. Assim como há alguns anos o mercado foi empurrado pela entrada dos processos tecnológicos, podemos dizer que é só uma questão de tempo para que a maturidade digital chegue às organizações.

Na realidade, o que hoje se vê como uma forma de otimizar o uso dessas ferramentas digitais, amanhã será algo comum, básico e indispensável. Quem não conseguir responder a isso acabará ficando para trás, sem a menor condição de competir com quem surfar essa onda de modernização.

O motivo é bem simples: uma empresa que continua realizando suas tarefas pelo modo convencional, além de mais imprecisa, acaba se tornando mais lenta e, com isso, obsoleta. Por outro lado, quem conseguir responder ativamente às demandas e gargalos do mercado tem chances de continuar galgando novos passos e se tornar mais competitivo.

Da aplicação de softwares nas mais diferentes áreas de uma empresa até a mudança do mindset da equipe, há um grande trabalho a ser feito. É preciso mobilizar desde a alta cúpula até o chão de fábrica e, por fim, preparar toda essa gente para trabalhar responsivamente com alta tecnologia.

Isso permitirá que o negócio se torne mais estratégico e focado naquelas questões que realmente trazem retornos financeiros. Além disso, ajudará a construir ambientes de trabalho mais satisfatórios, agradáveis e fáceis de atuar. Os benefícios alcançam a absolutamente todos.

Não menos importante, são os clientes que percebem a maior parte do impacto, já que recebem no colo atendimentos mais ágeis, personalizados e satisfatórios. Elevando a satisfação do cliente, aumentam as conversões em vendas, o que é principal razão de qualquer empreendimento existir.

Como a BRQ viabiliza a Transformação Digital nas empresas?

A BRQ Digital Solutions pode ser a sua parceira em todos os desafios que surgirem ao longo da sua jornada de transformação digital. Nós atuamos no ciclo completo de desenvolvimento, desde o ponto em que você concebe uma ideia ou projeto, até a execução e materialização dos produtos digitais; tudo com total alinhamento às suas estratégias e objetivos.

Há quase 30 anos no mercado, a BRQ Digital Solutions se consolidou como uma das maiores empresas de Transformação Digital do país ajudando grandes marcas, de diferentes segmentos, na busca por inovação.

Essa diversidade de atuação traz uma visão mais consistente dos desafios de negócio e se traduz numa plataforma de serviços end-to-end, capaz de atuar nos diferentes estágios da jornada digital.

Com parceiros estratégicos, tanto fabricantes internacionais de soluções quanto startups de soluções B2B investidas pela própria BRQ, a empresa impulsiona a inovação, maximiza a produtividade e agiliza a entrega de valor para a melhor experiência do cliente.

Depois de ter conferido todo este conteúdo e acompanhado os conceitos e as dicas que compartilhamos aqui, você certamente está mais próximo de implementar a Transformação Digital na sua empresa. E não só isso, mas também continuar a sua jornada em busca de uma maturidade nível 5, o que, afinal, você sabe o que significa.

Então, não perca mais tempo. Entre em contato conosco e vamos evoluir a maturidade digital do seu negócio!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

um × um =