Disrupção Digital: uma ameaça à gestão ou oportunidade de evolução?

disrupção digital
8 minutos para ler

Você já se deparou, alguma vez, com criações que realmente transformaram o modo de consumo das pessoas? Ou então com soluções empresariais que impulsionaram grandes mudanças dentro do mundo corporativo? Se sim, provavelmente você esteve diante de uma disrupção digital.

Sabemos que a era digital exigiu de todos nós uma grande mudança comportamental e que isso afetou, inclusive, o modo como as empresas operam. Desde a criação dos computadores até os dispositivos tecnológicos vestíveis, entramos em contato com muitas disrupções.

Então, chegou a hora de saber mais sobre esse assunto e entender por que ele não precisa ser uma ameaça, mas, sim, uma oportunidade para o seu negócio. Vamos lá? Aproveite a leitura!

O que é disrupção digital?

A disrupção digital é, muitas vezes, confundida com algo negativo. Mas a verdade é que ela não é uma coisa ruim. As únicas pessoas ou empresas que perdem com isso são aquelas que ignoram as oportunidades e, em consequência disso, acabam ficando para trás.

Essa tal disrupção digital nada mais é do que uma quebra de padrão, uma transformação causada pela tecnologia e pelas soluções digitais. Você já deve ter percebido que hoje os modelos de negócio estão muito mais ágeis, menos burocráticos e mais conectados, não é mesmo? Isso tudo só é possível graças a esse movimento.

De um modo geral, as soluções digitais vieram para qualificar processos, eliminar desperdícios, ganhar tempo e inteligência na tomada de decisão. No fim, isso tudo serve para melhorar a experiência do cliente e agregar ainda mais valor às entregas feitas pelas marcas.

Mas, atenção: não basta se ater apenas à digitalização, adotando um ou outro processo tecnológico. A ideia é justamente quebrar um modo de funcionamento e continuar de outro totalmente mais eficiente.

Então, quando falamos de disrupção, estamos nos referindo àquelas empresas que saíram de um cenário moroso, lento e burocrático para outro muito mais interconectado, veloz e automatizado, sim, mas também criativo e surpreendente.

Hoje, por exemplo, é praticamente inconcebível a ideia de ter que se deslocar até uma loja física para resolver um problema que poderia ser solucionado por um atendimento virtual. Mas houve um tempo em que não existia outra maneira de fazer isso.

E a proposta é justamente essa: que as empresas não dificultem mais processos que são simples. Com isso, elas poupam recursos financeiros, sem precisar sacrificar ou arriscar a satisfação do cliente. Muito pelo contrário, o objetivo é deixá-los ainda mais encantados.

Sob uma perspectiva mais extrema, as empresas digitalmente disruptivas são aquelas que encabeçam mudanças até então impensadas pela concorrência. Então, elas vêm, literalmente, para transformar o seu mercado de atuação.

Por que é oportunidade de evolução?

Entendido o que é a disrupção digital, chegou a hora de entendermos por que ela não é uma ameaça, mas, sim, uma oportunidade imperdível. É claro que, para isso, precisamos nos livrar da ideia de que o mundo digital é difícil e algo “apenas para as novas gerações”.

Ao contrário do que muitos gestores acreditam, ser digital não é difícil. Para ser honesto, é muito mais fácil do que não ser. Por quê? Porque grande parte das atividades que antes exigiam atenção e tempo hoje são executadas por máquinas e algoritmos.

Então, se todas as atividades monótonas e repetitivas são redirecionadas para as máquinas, as pessoas ficam com o pensamento criativo e estratégico. Assim, gestores e diretores podem se concentrar no crescimento do negócio e em como ele se tornará cada vez mais competitivo no mercado.

E, caso você ainda não tenha se convencido de que isso é algo bom, saiba que, só por estar no meio digital, sua empresa já sai na frente da concorrência. O motivo é bem simples: você já parou para pensar em quantas pessoas estão na internet e nas redes sociais? E quantas delas estão procurando produtos e serviços? Se você estiver presente lá e o seu concorrente local não, ponto para você!

Além disso, é no cenário digital que estão as principais tendências e inovações do mercado. Desde ferramentas de gestão até soluções robotizadas podem ser encontradas através dele. Então, essa também é uma maneira de qualificar a sua empresa e conquistar recursos que os seus concorrentes ainda nem sabem que existem.

Mas, só estar no digital não basta. Essa primeira etapa de transição para esse cenário é só uma preparação para que as disrupções sejam mesmo possíveis. Isso porque você precisa de recursos humanos disponíveis, qualificados e valorizados para conseguir criar soluções inesperadas.

Quais são as áreas atingidas pela disrupção digital?

A disrupção digital está presente em todas as áreas. Se você der uma boa olhada em volta vai perceber que muitas videolocadoras fecharam as portas enquanto o serviço de streaming não parava de crescer, os grandes bancos começaram a dar mais espaço para as fintechs e os bancos digitais e até mesmo profissionais de saúde, por exemplo, aderiram à tecnologia para fazer atendimentos.

A verdade é que a disrupção digital já está presente no varejo, no setor financeiro, na indústria, na prestação de serviços e até mesmo no campo. Inclusive, já existem agrotechs especializadas nos avanços digitais voltados para as atividades rurais.

Quais são as ameaças envolvidas nesse processo?

Para muitos negócios a disrupção digital ainda é vista como uma ameaça. E não é para menos, dado que em alguns cenários ela pode mesmo ser prejudicial. Vamos explicar como isso é possível.

Negócios mais tradicionais e resistentes às mudanças podem sofrer muito com a disrupção digital. Ao se negar de fazer parte dessa nova realidade, é muito comum que alguns empreendimentos acabem caindo no esquecimento de seu público-alvo, perdendo poder competitivo e até mesmo sua lucratividade.

Então, para quem ainda acha que não vale a pena investir em Transformação Digital, é possível que o seu negócio esteja correndo sérios riscos. Em muitos casos, a disrupção digital representa a queda, o fim de um determinado mercado para o surgimento de outro (como aconteceu com o streaming).

Além disso, é preciso se manter atento nas mudanças que ocorreram até aqui para entender que rumo essas transformações estão tomando. O setor de comunicação, finanças e seguros, por exemplo, estão se digitalizando a uma velocidade absurda. A própria aprovação de crédito e o atendimento ao cliente, por exemplo, são feitos sem a intervenção de seres humanos. E tudo isso com segurança e qualidade.

Então, pense em características como a digitalização de processos, a otimização de custos, a mobilidade e a flexibilização de serviços como novas regras para o cenário futuro. E, para acompanhar o ritmo, não se esqueça de fortalecer esferas internas importantes, como:

  • Um banco de talentos bem qualificado e em constante desenvolvimento;
  • A adesão aos robôs e às atividades automatizadas;
  • A criação de novas funções de trabalho e a extinção de outras;
  • Um relacionamento próximo e humanizado com o cliente;
  • Um modelo de negócio adaptável, flexível e ágil.

Com isso, você terá uma empresa melhor preparada para criar novas ideias e inovar no seu segmento de atuação, independentemente de qual seja ele.

Qual é a importância da disrupção digital?

A disrupção digital é o futuro de todos os mercados. Com tantos recursos tecnológicos desenvolvidos hoje, essa quebra de paradigmas é fundamental para que as empresas abandonem velhos métodos de trabalho e adotem outros mais condizentes com um mercado dinâmico, exigente e acelerado.

Buscar novas oportunidades de negócio é a finalidade de praticamente todos os negócios. Para isso, é importante ficar atento aos meios de otimizar toda a sua cadeia de suprimentos, desde os físicos até os humanos.

Nesse caso, ficar de olho nas tendências, inovações e no comportamento do consumidor é fundamental. Sem isso, é quase impossível criar a própria diferenciação e se tornar ou manter competitivo no mercado ou nicho de atuação.

Para isso, a tecnologia é a parceira ideal, afinal, é ela quem torna os processos mais ágeis, precisos e seguros. A partir disso, você pode dedicar esforços e recursos para otimizar temas centrais do funcionamento do seu empreendimento.

A exemplo disso estão a gestão das pessoas de uma maneira realmente humanizada e satisfatória, o desenvolvimento de projetos tecnológicos internos e a criação de soluções inovadoras para apresentar aos clientes. Inclusive, estudar, pesquisar e se preparar para esse mercado também são etapas que podem ser incluídas no plano.

Que o mundo mudou, você já percebeu. Mas essas mudanças só aconteceram graças a gestores e executivos que não tiveram medo de abandonar antigas premissas para abraçar algo ainda desconhecido. E parte da realidade que vivemos hoje só existe graças a esses esforços.

Então, quer saber como otimizar sua realidade interna para aderir à disrupção digital? Entenda como a Transformação Digital atua na redução de custos da sua empresa!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

um × dois =