Realidade Aumentada: quais são suas características?

realidade aumentada
17 minutos para ler

Nos últimos anos, a tecnologia vem transformando a relação entre clientes, marcas e experiências de consumo. Aliadas às novas possibilidades de interação, as tendências tecnológicas que estão surgindo vão revolucionar setores inteiros.

Por isso, queremos apresentar um desses conceitos que promete expandir a experiência de compra física para o ambiente virtual: a Realidade Aumentada.

Em um mergulho nessa inovação no mercado, vamos entender melhor como funciona, quais são suas aplicações, sua importância para o contato com o público no futuro e seus benefícios práticos. Boa leitura!

O que é Realidade Aumentada?

Realidade Aumentada é um conceito de inclusão e interação de elementos virtuais em um ambiente físico com intermediação de um dispositivo eletrônico.

Atualmente, o modelo mais comum de RA utilizado por pessoas e empresas é o uso de aparelhos celulares dotados de câmeras para a inserção desses elementos que ampliam a visão sobre algum produto, informação ou peça interativa.

Inclusive, a popularização desse modelo vem sendo puxada pela disponibilidade de dispositivos com lentes e softwares cada vez mais sofisticados. É uma tecnologia que se beneficia do fato de estarmos sempre com smartphones nas mãos e nos bolsos.

Dessa forma, empresas do mundo inteiro estão buscando maneiras de utilizar o potencial da inclusão de elementos digitais engajantes para ampliar a experiência de compra, de uso e de interação com marcas, produtos e serviços.

Como ela funciona?

Geralmente, a RA utiliza softwares de Inteligência Artificial que “leem” em tempo real as imagens captadas pela câmera do celular. Assim, usam de fórmulas matemáticas para posicionar elementos digitais na tela como se estivessem presentes naquele ambiente físico mostrado pelas lentes.

Por exemplo, ao apontar a câmera para um produto, o software reconhece que se trata da marca e do modelo da empresa e apresenta flutuando ao lado dele uma caixa de informações. Ou, ao apontar para o sofá de casa, ter um pet virtual deitado nele com perspectiva calculada visando apresentá-lo de maneira convincente no cenário real.

É uma das novas tecnologias que se destaca atualmente por ser sofisticada, mas, ao mesmo tempo, cada vez mais acessível e abrangente para negócios que buscam entregar experiências inovadoras aos seus clientes. Com utilização de softwares especializados, basta um bom planejamento e ideias criativas para encantar o público e aumentar suas chances de vendas.

Qual é a diferença entre Realidade Virtual e Realidade Aumentada?

Existe muita confusão ainda sobre os termos Realidade Aumentada (RA) e Realidade Virtual (RV). Mas existe uma maneira fácil de diferenciar os dois conceitos.

De maneira bem simples, podemos dizer que Realidade Virtual é sobre imergir a pessoa real em um mundo digital. Já a Realidade Aumentada é sobre trazer o mundo digital para o cenário físico em que a pessoa está.

Na RV, é preciso a utilização de equipamentos mais complexos, os óculos de realidade virtual. Eles utilizam ótica e tecnologia de reconhecimento de movimentos e posição para fazer com que a pessoa acredite estar em um novo ambiente.

a RA é mais direta e amigável por poder utilizar apenas um celular como ferramenta de experiência. O ambiente continua o mesmo em que a pessoa está, mas ele é potencializado por novas possibilidades virtuais na tela do dispositivo.

Quais são as aplicações da Realidade Aumentada para negócios?

Muitas empresas estão investigando as aplicações de tecnologias como a Realidade Aumentada em suas empresas e encontrando formas variadas de adaptar possibilidades aos seus objetivos de mercado.

Veja as alternativas mais comuns de uso para a RA com uma visão de atração, experiência e vendas.

Informações adicionais sobre produto

Principalmente na venda física em lojas de departamento e supermercados, a competição entre marcas acaba exigindo das empresas diferenciais competitivos para se destacarem.

Nesse sentido a Realidade Aumentada pode ser utilizada exatamente para ampliar os argumentos de venda em relação aos concorrentes, sem a necessidade de investir em ativações de pontos de venda.

Com um QR Code, por exemplo, o consumidor pode apontar a tela do celular para o produto e ter inseridas no ambiente captado pela câmera informações multimídia sobre aquele produto que o destaque dos demais.

Visualização de produtos em determinados espaços

Uma alternativa bastante explorada que impacta muito na decisão de compra é fazer o contrário: trazer o produto para a casa do consumidor.

Esse tipo de aplicação é muito utilizado em empresas de decoração. Ao apontar a câmera para um espaço dentro da casa é possível ver como itens decorativos, móveis e outros equipamentos ficariam dispostos e como combinariam com outros elementos da residência.

Para alguns perfis de consumidor, ter essa visualização mais concreta do produto é um argumento muito convincente na hora de escolher a loja e/ou o produto.

Exploração de detalhes e características

Da mesma maneira, essa inserção virtual de um produto dentro de um espaço físico real permite que o usuário tenha uma experiência mais completa de exploração de suas características.

Ao manipular um item utilizando RA é possível atentar a detalhes em diversos ângulos e até seu funcionamento com a combinação de modelos 3D e técnicas de animação. Para empresas que vendem produtos on-line, essa é uma oportunidade a mais para destacar seus diferenciais de inovação no mercado.

Exploração de ambientes expositores

A Realidade Aumentada também pode transformar a relação do consumidor com um espaço físico, como uma loja personalizada ou exposições. A partir do uso de RA, essa exploração se estende para o mundo virtual, oferecendo guias, informações e interações com determinados espaços.

Um exemplo mais simples para entender seria uma grande loja de departamento. Por meio da Realidade Aumentada, o espaço poderia ser conduzido por indicadores que apontem as categorias no espaço físico, onde se encontra determinado produto ou publicidade digital associada a áreas específicas do estabelecimento.

Interação lúdica com marcas e produtos

Até aqui, falamos muito da ampliação de visão de produtos e espaços utilizando a Realidade Aumentada, mas e se a tecnologia fosse utilizada para interação direta com eles?

RAs cada vez mais complexas estão possibilitando uma integração rica entre o mundo real e os elementos digitais apresentados nele. A interação entre um produto físico e um modelo tridimensional abre caminho para novas experiências de consumo que verdadeiramente combinem os dois mundos em um só.

A possibilidade de usar a própria tela do celular como interface abre esse tipo de oportunidade para as empresas que pensam de maneira criativa na apresentação de sua marca.

Inclusive, a participação do consumidor na experiência se torna muito interessante. Já vemos em aplicativos de vídeo e fotos o uso de RA para inserir elementos virtuais que interagem com os rostos e corpos do usuário, uma maneira engajante e divertida de utilizar a tecnologia.

Um exemplo nesse sentido é o aplicativo de maquiagens da L’Oréal, que permite o uso de Realidade Aumentada para testar diferentes combinações de produtos diretamente no rosto em uma foto ou vídeo.

Jogos eletrônicos

E claro, não dá para falar de aplicações de Realidade Aumentada sem citar os videogames. O caráter lúdico e interativo da tecnologia se encaixa muito com a proposta de alguns jogos.

O maior exemplo disso é o Pokémon Go. O jogo, que usa RA no celular para colocar os personagens no mundo real e incentivar jogadores a encontrá-los, tornou-se uma febre no mundo inteiro. Com 5 anos desde o lançamento, já faturou mais de US$5 bilhões.

Para o mundo corporativo, os advergames, jogos feitos para promover um produto ou empresa, podem se dar muito bem utilizando Realidade Aumentada como foco de sua experiência. É uma maneira de aliar engajamento e capacidade de viralizar à divulgação da marca.

Quais são os benefícios da Realidade Aumentada?

Como pudemos ver, existem diversas aplicações para a RA sendo utilizadas no mercado nos últimos anos. E se essa tendência só cresce entre o setor corporativo, significa que as empresas estão enxergando benefícios importantes na relação entre tecnologia e negócios.

Para você entender melhor as vantagens da Realidade Aumentada, separamos alguns dos pontos principais que podem fazer a diferença na sua competitividade.

Maior interação e exposição de produto

A Realidade Aumentada é uma oportunidade para ampliar a relação entre consumidor e produto no momento da decisão de compra, oferecendo suporte virtual para ele analisar características e possibilidades no mundo real.

Quando há essa interação rica e engajante, o consumidor sente maior segurança em relação aos argumentos de venda que você apresenta. Como citamos em nossos exemplos, a marca permite que o cliente preveja a utilização do produto, tenha novas informações relevantes sobre ele e explore detalhes a mais que talvez não fossem possíveis sem o uso da tecnologia.

Personalização de experiência do usuário

Outro ponto interessante da Realidade Aumentada é a possibilidade de utilizar dados de consumidores para moldar a experiência de acordo com seus gostos e expectativas.

Imagine poder apresentar informações e trazer modelos de interação específicos para cada cliente. A integração entre RA e inteligência de dados torna argumentos de venda muito mais certeiros para cada consumidor. E se a própria tecnologia já utiliza Inteligência Artificial, essa combinação é simplificada visando a UX ideal.

Suporte para vendedores

Falando em argumento de vendas, a Realidade Aumentada pode se tornar um meio de convencimento a mais na mão dos vendedores, principalmente aqueles que trabalham em lojas físicas.

Com treinamento adequado eles podem usar, inclusive, dispositivos próprios e soluções internas da empresa, os quais sirvam de suporte para informações e explicações sobre o produto que possam ser passadas de maneira mais interativa.

A ideia nesse sentido é tornar a própria visita à loja uma experiência única de compra, que alia real e virtual na navegação pelos produtos e no atendimento.

Custos reduzidos

A barreira de investimento para entrada na Realidade Aumentada é cada vez menor à medida em que tecnologias e ferramentas vão se tornando mais consolidadas e disponíveis.

E a tendência é que esses serviços se tornem cada vez mais comuns: empresas especializadas em entender os objetivos de atração e conversão do cliente e criar experiências de RA para alcançá-los. Pensando em custo-benefício, é uma tecnologia capaz de expandir muito como se pode trabalhar a venda de um produto sem investimentos tão altos.

Expansão de possibilidades em PDVs

Um exemplo dessa expansão de alternativas que a RA traz está exatamente no ponto de venda da empresa, seja em loja própria ou em outros estabelecimentos de varejo.

O PDV tradicionalmente exige um investimento maior em peças impressas, estruturas físicas e profissionais para atrair e demonstrar os diferenciais de um determinado produto. Com o uso da Realidade Aumentada, esse PDV pode se tornar uma experiência digital sem qualquer necessidade de intervenção no espaço.

Utilizando a própria embalagem do produto, por meio de um QR Code e instruções de uso, você consegue transformar a experiência de compra por meio do celular do consumidor, com possibilidades muito maiores de interação do que teria em um banner ou um quiosque.

Maior competitividade

A Realidade Aumentada pode trazer o mundo virtual para as lojas físicas. Também trazer o ambiente físico do consumidor ou ele próprio para dentro do mundo virtual. Pensando no tanto que a tecnologia ainda tem para evoluir, podemos dizer que a RA terá papel muito relevante na competitividade do futuro.

Esse tipo de experiência expande a realidade em percepção de espaço e aquisição de informação. Pode integrar experiências, advergames e argumentos de venda. Para negócios com líderes criativos, que gostam de utilizar etapas de inovação, é um caminho muito interessante para encantar o cliente a partir de interações surpreendentes.

E isso se relaciona à competitividade na era digital. Consumidores hoje buscam mais do que o simples consumo: eles procuram significado e conexão emocional com as marcas. Experiências como a RA são ideais para criar esse diferencial que se conecta com as expectativas do público e desenvolve um vínculo profundo.

Quais são os desafios atuais da tecnologia?

Embora muito promissora, a Realidade Aumentada enfrenta as dores de crescimento de qualquer outra tecnologia. São desafios e questões que precisam de uma atenção maior por quem investe nela, mas que podem ser superados com inteligência e foco nos resultados esperados com seu uso. Veja os principais.

Conhecimento geral da tecnologia

Por mais que fenômenos de popularidade como o Pokémon Go ajudem a familiarizar rapidamente o público com a tecnologia, uma boa parte do grupo consumidor de maior poder de compra hoje ainda não se sente tão confortável com a RA.

Esse é um desafio pelo qual todas as tecnologias passam e, geralmente, se dissipam com o passar do tempo e a entrada de novas gerações no mercado de consumo.

No entanto, a Realidade Aumentada tem uma vantagem: o veículo pela qual é disseminada já está no bolso da maioria das pessoas, que têm um nível considerável de familiaridade com seu uso e tipo de interação.

Ou seja, é mais fácil educar seu público sobre o uso da RA se você tiver uma interação simples, engajante e que utilize elementos e ferramentas já conhecidos por ele.

Alinhamento da RA com estratégias de marketing

A relação entre marketing e tecnologia é crucial para empresas do futuro, mas algumas ainda têm dificuldade nesse alinhamento. O resultado geralmente é o uso de RA sem um objetivo claro do que se espera de resultado comercial daquela experiência, tornando-se um desperdício de esforço profissional e recursos.

Por isso, como qualquer tecnologia, a parceria entre TI e marketing deve ser próxima e eficiente, para que a concretização da RA tenha base em objetivos reais de negócio.

Integração da experiência em processos de atração e conversão

Expandindo ainda mais nesse ponto, lembra quando falamos sobre o suporte a vendedores? A RA não é tão efetiva quando o próprio setor de vendas da empresa não sabe utilizá-la da maneira como foi concebida.

A falta de treinamento no uso dessas ferramentas e na sua inserção na jornada do cliente faz com que a empresa perca oportunidades de vendas — clientes que se interessam pela experiência, aprofundam-se no relacionamento com a marca, mas não são guiados até o fim dessa jornada.

Como implementar?

Falar em uma receita de bolo para a Realidade Aumentada é quase que impossível. O tipo de experiência que vai atrair seu público sempre depende de seus objetivos, do perfil dos seus consumidores, da capacidade de investimento e da natureza do negócio.

Mas isso não significa que não podemos ajudar. Independentemente do que você tem em mente de experiência RA para seu público, é possível racionalizar o processo e garantir resultados positivos prestando atenção em algumas etapas fundamentais de planejamento e implementação. Confira quais são!

Entenda a relação do seu perfil de público com a tecnologia

Como citado no tópico sobre desafios, existem perfis de consumidores ainda muito variados em relação a sua familiaridade com a tecnologia de Realidade Aumentada. Isso significa que sua primeira investigação deve ser neste sentido: o quanto meu público está disposto a utilizar e o quanto se engaja com experiências virtuais?

Fazendo essa pesquisa, você encontrará pistas sobre a melhor forma de implementar a RA, seja em produtos, locais físicos, inserção do consumidor na experiência ou todas essas alternativas de maneira integrada.

Foque na experiência do usuário

Conhecer melhor seu público é importante também para outro passo fundamental de implementação: criar experiências compatíveis com suas expectativas. Aqui, estamos falando especificamente da parte técnica de UX, o conjunto de ações, sensações e intenções que a sua Realidade Aumentada pretende entregar ao usuário.

Para que a RA funcione da maneira que você espera, é necessário ter uma coerência visual e de linguagem com a marca e o produto. Ela precisa se tornar uma experiência significativa a ponto de marcar nomes e informações na mente do consumidor.

Além disso, tem que ser esteticamente agradável, fluida e bem desenvolvida, para que não haja obstáculos entre aquela interação e o propósito final de uso. Inclusive, esta parte é fundamental: se você vai investir em Realidade Aumentada, é importante definir seu objetivo.

A empresa pretende engajar mais o usuário em seu relacionamento com a marca? Utilizar a plataforma para destacar diferenciais de produto com maior eficiência? Quer fidelizar o cliente por meio de experiências pré e pós-venda? Ou transformar a própria experiência em um veículo de vendas?

Dependendo de como você responde a essas perguntas, você pode ir para caminhos muito diferentes dentro da tecnologia de RA. Por isso é tão importante ter essa definição antes mesmo de começar.

Pense em maneiras de expandir a visão sobre seu produto

Quem faz RA apenas por fazer não só perde a oportunidade de crescer a partir dela, como também causa uma sensação de interação desperdiçada pelo cliente. Se você vai criar uma experiência, que ela seja única e significativa.

É possível fazer isso pensando em maneiras que o ambiente virtual pode expandir a jornada de descobrimento e conhecimento de um determinado produto.

Como o consumidor pode manipulá-lo em uma integração de real e virtual para destacar ainda mais os diferenciais do que você oferece? Essa pergunta é vital para guiar sua estratégia de Realidade Aumentada.

São duas estrelas na sua experiência: o consumidor e o produto. Portanto, busque maneiras de evidenciar os dois e conectá-los de maneira interessante.

Invista em tecnologia além da RA

A Realidade Aumentada por si só é uma tecnologia muito interessante para ações de marketing e vendas. Porém, é muito difícil extrair o máximo de seu potencial se a empresa como um todo também não está investindo em processos e soluções tecnológicas para gestão e operação.

Afinal, falamos muito sobre o conhecimento do público e uso de inteligência de dados para customização dessa experiência. Isso só é possível com uma verdadeira Transformação Digital, utilizando sistemas empresariais integrados e equipes multidisciplinares para uma rotina mais dinâmica.

Essa base criativa no núcleo do negócio se expande para ideias inovadoras de atração em diversas áreas, inclusive no uso da Realidade Aumentada.

É uma visão mais abrangente sobre público, mercado e como a empresa pode se posicionar nessa nova competitividade. Uma análise preditiva baseada em experiências, interação, engajamento e conexão emocional.

Gostou do artigo e quer discutir ainda mais sobre as possibilidades da Realidade Aumentada? Aproveite para compartilhar o post nas suas redes sociais e conversar com seus contatos.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

9 + 4 =